domingo, 30 de Setembro de 2007

ESPERANÇA

Sobe a Avenida um lastro de mim.
Beijei o sonho de Deus
e tinha o teu rosto mirando-o
sob o espelho circular.

Lancei um xisto
e mil rostos choraram os meus segredos
incrustados de ti na calçada.
Foi ontem!
Tenho meio milhão de anos
e vejo-te agora, pleno de vida,
sem enganos mutando.
Chamar-te-ei, meu amor?...
Virgílio Rodrigues Brandão

  • Uma promessa vale uma vida. E «Disse-lhe Jesus: Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus? » (João XI.40)

sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

ON A MOONLIGHT NIGHT, Du Fu

Far off in Fuzhou she is watching the moonlight,
Watching it alone from the window of her chamber-
For our boy and girl, poor little babes,
Are too young to know where the Capital is.
Her cloudy hair is sweet with mist,
Her jade-white shoulder is cold in the moon.
...When shall we lie again, with no more tears,
Watching this bright light on our screen?

Tradução de Witter Bynner, 1920

A ESPERA COMPROMETIDA

Te exaspera a minha luz,
eu sei. É tudo o que esperas
da metáfora e do sonho.

O duplo gume que esquadrinha a tua alma
verteu também o corpo das acácias
e o negrume de Rudyard Kipling
- que pena!

Te exaspera, eu sei,
a minha exígua luz
proclamando o teu nome
no subterrâneo do ser e do feto que geraremos
sem cor.

Te exaspera, eu sei,
a espera.

Virgílio Rodrigues Brandão

quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

ARS AMANDI

O Amor confessa
a sua natureza na rejeição
– dizem os crepúsculos definitivos
e a hora clara
que é louva-a-Deus sem coração
na espera aguda
do braço de prata de mar;
um rocinante sem Quixote e Dulcineia; então…

Tu que amas a vida
entendes esta rima hormonal,
este fado das auroras…
Virgílio Rodrigues Brandão, 26.09.2007

THE NEGRO SPEAKS OF RIVERS

I've known rivers:
I've known rivers ancient as the world
and older than the flow of human blood in human veins.

My soul has grown deep like the rivers.

I bathed in the Euphrates when dawns were young.
I built my hut near the Congo and it lulled me to sleep.
I looked upon the Nile and raised the pyramids above it.
I heard the singing of the Mississippi when Abe Lincoln went down to New Orleans,
and I've seen its muddy bosom turn all golden in the sunset.

I've known rivers:
Ancient, dusky rivers.

My soul has grown deep like the rivers.
Langston Hughes

domingo, 23 de Setembro de 2007

A Malcolm X
  • O IMAN DAS HORAS
Todas as tardes,
o Iman das horas
segue os passos descalços
da sua alma nua
– procura o oriente sem ver
as marcas de espelho da sua senda.

Tinha, também, dez anos
em Nossa Senhora da Luz
quando beijou o primeiro regaço,
a primeira ingratidão comeu
e aprendeu, como tu
– bom tem de ter sombra e dor,
dizia-lhe a mãe –
que o tempo cura como Galeno
e há sempre hora de ter mãe
e de procurar os passos perdidos
em nós memória.

No exílio do ventre
pastoreia sentidos e é o Iman
das horas que constrói;
não pode é parir os olhos de Deus
- lamenta-se o buscador ajoelhado.
Virgílio Rodrigues Brandão, 23.09.2007

sábado, 22 de Setembro de 2007

Ibn Al-‘Arabi, El tratado de las luces

  • Ibn Al-‘Arabi, El tratado de las luces

    […]
    Respondo a tu pregunta, querido hermano, acerca del modo en que se realiza el viaje hasta el Señor de los Mundos, la forma de llegar a su presencia y cómo retornar con El desde junto a El al mundo de su creación sin caer en el abandono y la separación, pues debes saber que en la existencia no hay más que Allah, sus atributos y sus actos. El Todo es El, por El, desde El y hacia El. Si se ocultase al Mundo el instante de un parpadeo éste se extinguiría de una sola vez, así su permanencia es por su custodia y su mirada, pero es tan intensa la manifestación de su luz que la percepción es cegada y es por lo que se denomina a su manifestación Velo.

    En primer lugar te dejaré aclarado la forma del viaje hasta El, Allah te dé energía, y después la manera de llegar y detenerte entre sus manos, sentarse en la alfombra de su contemplación y el oído a su discurso. Por último explicaré cómo retornar de junto a El a la presencia de sus actos con El y hacia El y consumirte en El. Debes saber que este es un estado distinto al del retorno.

    Conoce, generoso hermano, que los caminos son múltiples y los caminos del Real, singulares y los viajeros por el camino del Real únicos. Aunque el sendero del Real sea uno, tiene aspectos diferentes de acuerdo a las circunstancias de quienes lo siguen, es decir, según la moderación de sus temperamentos o su aberración, la intensidad de la constancia de sus motivaciones, la fuerza de su espiritualidad o bien su debilidad, la rectitud o declinación de su voluntad, lo correcto o incorrecto de sus pasos. Entre ellos los encontrarás que integran todos los aspectos o bien cuentan con sólo algunos, y así hallarás quien posee una notable espiritualidad pero que no le acompaña el temperamento adecuado y así el resto.

    Lo primero que se determina para que te mostremos es el conocimiento de las “patrias” (mawatin), cuantas son y qué quiero decir al referirme a ellas aquí. Debes saber que la “patria” es un modo de expresar el locus de los momentos de los wirds que te establezcas.

    Te es imprescindible saber lo que el Real desea de ti en esa patria para que tomes la iniciativa sin demora ni fatiga. Las patrias aunque son en gran número pueden reducirse a seis esenciales.
    La primera es la patria que corresponde a las palabras:
    “¿Acaso no soy Yo vuestro Señor?”, de la que nos hemos separado.
    La segunda patria es el mundo inmediato, donde estamos ahora.
    La tercera es la patria ístmica, destino de grandes y pequeños después de la muerte.
    La cuarta es el reestablecimiento en la Tierra del Desierto y la devolución al comienzo.
    La quinta es el Jardín y el Fuego.
    La sexta es la Colina de fuera del Jardín.

    En cada una de estas patrias hay lugares que son patrias en las patrias. La capacidad humana es imponente para cumplir con todas ellas por su abundancia. Para este tema no necesitamos hacer referencia más que a la patria del mundo inmediato que es el lugar en la determinación de la responsabilidad, la prueba y los actos.

    Debes saber que las gentes desde que fueron creadas por Allah y extraídas de la no-existencia a la existencia no dejan de ser viajeros y no abandonan sus monturas sino en el Jardín o en el Fuego. Cada Jardín y cada Fuego es según sus moradores.
    Es imprescindible a todo ser dotado de inteligencia saber que el viaje está colmado de penalidades, privaciones, pruebas y desgracias, que es un continuo superar peligros y temores inmensos, por ello es impensable encontrar durante él ningún tipo de bienestar, seguridad o placer: las aguas son de sabor alterable y los vientos siguen direcciones opuestas.

    Las gentes de cada aguada son diferentes a la de la anterior. El viajero cuando alcanza la madurez de la corrección necesita encontrarse con los sabios de cada estación y permanecer junto a ellos una noche o una hora para después continuar su camino. ¿Cómo puede concebir el descanso por quien es éste su destino?

    No aducimos lo último expresado con la intención de referirnos con tono reprobatorio a los buscadores del bienestar en el mundo y cuya única aspiración es reunir sus despojos, pues éstos son para nosotros tan insignificantes y dignos de desprecio que no merece la pena que nos dediquemos a ellos o prestarles la más mínima atención. Nuestra alusión está dirigida en realidad a otra actitud, a la de que ellos que se apresuran a encontrar el placer de la contemplación en una patria a la que no corresponde ese estado, o bien aquellos que desean la extinción del ego en su lugar en que no conviene, o consumirse en el Real a través del diluirse de los mundos.

    Las gentes de nuestra élite rechazan estas inclinaciones por entender que entrañan una pérdida de tiempo y un rebajamiento del grado, un tratar la patria del momento con descortesía que conlleva la pérdida de su verdadera realidad. Así, el tiempo de la extinción en el Real supone previamente el abandono de un estado superior a aquel en el que todavía se encuentra pues la Manifestación va de acuerdo al conocimiento y a su imagen y aún el aspirante no ha alcanzado el conocimiento por El y desde El en su combate interno y en su preparación durante el tiempo primero, por ejemplo, y ya desea contemplarlo en el tiempo segundo, pero entonces sólo contemplará la imagen de su conocimiento que se estableció en el tiempo primero. Con ello no ha conseguido mas que trasladarse del conocimiento a su determinación, sin que la imagen deje de ser la misma. Por ello ha alcanzado lo que le convenía retrasar para que se efectuara en su patria que es la última de las moradas donde no hay acción.
    Lo que realmente se te aconseja es que durante el tiempo de tu contemplación seas dueño de tus actos externos a la vez que recibas la ciencia de Allah internamente. Aumenta en belleza y bondad tu espiritualidad buscadora de Allah y mejora tu sentido individual que no deja de exigir su parte. La sutileza humana surgirá de acuerdo a la imagen de su ciencia y los cuerpos se extenderán sobre las imágenes de su acción según su bondad o maldad. Sólo cuando te separes del mundo de la responsabilidad, patria de las escalas y los accesos, recogerás los frutos de tu huerto.

    Si has comprendido lo anterior debes saber que Allah nos refuerza con su energía, que si quieres acceder a la presencia del Real y tomar de El sin mediación alguna, intimar junto a El, no se realizará tu deseo mientras en tu corazón haya restos de aceptación del señorío de otro que no sea Allah, pues sin duda perteneces a quien te rige con su argumento-poder. Para ello es imprescindible que te retires de las gentes y preferir la soledad a la asamblea de hombres y así de acuerdo a tu alejamiento de la creación se establece tu cercanía al Real externa e internamente.

    Lo primero que te concierne es la búsqueda de la ciencia que te permita establecer tu pureza, tu salat, tu ayuno, tu cautela y todo aquello que está exigido específicamente en cuento al capítulo de las formas del Islam, y no ir más allá en lo referente a su detalle literal. Esta es la primera puerta que debes atravesar en tu viaje.

    A continuación viene la acción conforme a ese conocimiento, después la moderación en la vida, la renuncia y llegar a la confianza plena. En una de las estaciones de la confianza plena se verificarán en ti cuatro carismas: plegar la tierra bajo tus pies, caminar sobre el agua, atravesar el aire y alimentarte del universo. A esto se le llama realidad en estas consideraciones. Después se suceden los estados, las estaciones, los carismas y las inspiraciones hasta la muerte.
    […]
  • Excerto do Tratado das Luzes de Ibn Al-‘Arabi

A escutar: The Lark Ascending, Vaughan Williams: http://www.epdlp.com/asf/vaughan3.wmv

sexta-feira, 21 de Setembro de 2007

  • Li Bai
    DOWN ZHONGNAN MOUNTAIN
    TO THE KIND PILLOW AND BOWL OF HUSI
    Down the blue mountain in the evening,
    Moonlight was my homeward escort.
    Looking back, I saw my path
    Lie in levels of deep shadow....
    I was passing the farm-house of a friend,
    When his children called from a gate of thorn
    And led me twining through jade bamboos
    Where green vines caught and held my clothes.
    And I was glad of a chance to rest
    And glad of a chance to drink with my friend....
    We sang to the tune of the wind in the pines;
    And we finished our songs as the stars went down,
    When, I being drunk and my friend more than happy,
    Between us we forgot the world.
  • Teorema de Christie-Davies
    «Se os seus factos estão errados, mas a sua lógica é perfeita, então as suas conclusões são obviamente falsas. Assim, ao errar na sua lógica, tem pelo menos uma hipótese académica de chegar a uma conclusão correcta

quinta-feira, 20 de Setembro de 2007

  • PRETÉRITA NEGRA

    A inocência, pretérita negra,
    é assim mesmo, ramo primeiro
    da Cidade Velha de piratas
    e reis sem tronos
    que te buscam
    em sonhos.

    Cru, sem sangue derramado
    no teu oiro
    – filha de brocardos
    e tchom bom d’bos fidge –,
    é meio dia ruminar
    e amores de um dia florescem em ti
    como se fosses manhã dada,
    mas a tarde não tarda; não tarda
    porque Deus tem uma jaula na mão
    e uma peneira de mar e sal de voz…

    E chega a margem do deserto silente,
    a hora espanto de Aníbal
    clara como a sombra do Sol
    e do zéfiro dançante
    de Santa Cruz mindelense
    – sem luz és ponta escura de gongons
    no grémio que te assalta a candura; sei.

    É tempo de aunar,
    o meio dia só acontece uma vez
    e os amores de um dia
    morrem todos os dias;
    o meu, é o teu umbigo esverdeado;
    o meu, é a ressurreição matinal;
    o meu, pretérita negra,
    é esta dor que sentimos – nós,
    os do futuro.
    Virgílio Rodrigues Brandão,18.09.2007

quarta-feira, 19 de Setembro de 2007

O TOCADOR DE TAMBOR

Escuto aí, nas margens do Atlântico
e na alma auspiciosa
prosa base de tocador de tambor…


Porto novo procura
em vapor no deserto de ti
– escuta, germina no teu ventre
de sonhos a sua semente
e o teu amor;
essa espera de dares, dares
até ficar outro eu, um não nós…

Assim veio desejado do deserto,
comedor de mel,
o tocador de tambor
– no fim a cruxificação ganhou
almas de amores como nós.
Virgílio Rodrigues Brandão, 18.09.2007

terça-feira, 18 de Setembro de 2007

Pôr-do-Sol na Austrália

TO A POET!, de Aleksandr Pushkin

Do not prize the love of people around,
It soon will pass -- the glorifying hum --
And come a court of fools and laughing of cold crowd --
But you must always stay firm, morose and calm.

You're king: live lonesome.
Along the freedom's road,
Stride there, to where just shows your free mind,
While modernizing fruits of thoughts, beloved,
And not demanding you to be awarded.

Awards inside of you. You are your highest court;
Severely then all, you value your effort.
Well, are you satisfied, oh, my severe artist?

You're satisfied. Then let the mob condemn your verse,
Spit at the altar, where your fire burns,
And toss your brass tripod with somewhat childish wildness.

.

Lei de Hyman
«A mediocridade reproduz-se

  • Porque será?... Não é isso, empiricamente, contra a natureza? Este adagio de ode musical à revolta lembra-me o que é a natureza das coisas - «Concierto de Aranjuez», de Joaquin Rodrigo: http://www.epdlp.com/clasica.php?id=480

  • Esta perfomance de Paco de Lucia - ainda que só do Adagio - é belíssima; mas gostaria de poder partilhar a execução magistral de Miles Davies ou a beleza das vozes de Paloma San Basílio e José Feliciano, o virtuosismo de Paul Mauriat, Stratovarius e The Shadows, as versões completas de Narciso Yepes ou de John Williams; para não falar na reinvenção de Chick Corea & Gonzalo Rubalcaba - que me fizeram companhia enquanto lias as últimas páginas de um livro acabado de parir.

segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

O DALAI LAMA PRIVADO E «COISAS ESQUECIDAS

  • Terminou a visita do Dalai Lama a Portugal. Não foi recebido pelo Governo português: «está em visita privada» – disse Luís Amado, Ministro dos Negócios Estrangeiros. O Presidente da República, Cavaco Silva, disse que não tinha solicitado nenhuma audiência… Desculpa esfarrapada, pensarão muitos – com razão.

    Agora, pergunto: e se viesse – não como líder espiritual do povo martirizado do Tibete mas sim como líder temporal, chefe de Estado no exílio forçado, seria recebido? Pois… Na batalha entre a defesa dos direitos humanos e os interesses económicos com o gigante chinês o Lama da compaixão não se encaixa nos números; não é conveniente afrontar o necessário...

    Não, não tem de ser assim. Será que se receou que o Dalai Lama dissesse (nada mais natural…) em Lisboa o mesmo que disse em Barcelona no dia 09.09.2007: que o povo do Tibete deve decidir democraticamente o seu futuro?... Certeza: muita gente não dormiu bem nos últimos dias – principalmente quando se quer que Robert Mugabe seja um pária internacional. É por ser africano ou por não ser poderoso? Perguntarão alguns. Não importa a resposta – será sempre feia para a Europa dos direitos humanos.

    Paradoxo de situação: o Dalai Lama, na sua sábia simplicidade, conseguiu passar a sua mensagem à sociedade civil; mais do que conseguiria se tivesse todas as honras de que é merecedor. Ficará na memória de todos a sua visita à Câmara Municipal de Lisboa e a explicação ao Presidente António Costa do simbolismo da sua oferta; o mesmo que ofertou a Jaime Gama, Presidente da Assembleia da República (que, recebendo-o com os grupos parlamentares, salvou, assim, a cara dos portugueses). Política feita sem política e com sabedoria – genial!

    Ah, e por falar em direitos humanos, mas não é que Jean-Pierre Bemba – Senhor da guerra congolês, ex-Vice-Presidente de Joseph Kabila e dono de uma fortuna colossal – está há meses a apanhar sol nas praias algarvias, sul de Portugal? Entrou quase escondido e em silêncio e toda a comunicação social nacional ainda não o descobriu. Mesmo em «silly season»! Veio, oficilamente, ver o seu médico e tratar uma perna – com negociações complexas entre o Governo da África do Sul (onde estava sitiado pelas forças governamentais depois de confrontos militares em Kinsasha), a Répública Democrática do Congo, Portugal e a ONU para vir para Portugal – e foi ficando, a fazer uma perninha no sol algarvio…

    Também não foi recebido – a sua visita não é pública, não é privada; ela nem existe! Ninguém sabe que ele está cá; por isso, mesmo em visita privada, ninguém o recebe – oficialmente. Faz-me lembrar quando o Presidente Pedro Pires – então líder do PAICV e em pleno consulado e estado de graça do Dr. Carlos Veiga e do seu Governo – não foi recebido em Lisboa pelo Primeiro Ministro António Guterres; oficialmente. Bem, foi o que os media veicularam aqui na metrópole lusa…

    Há coisas, privadas ou públicas, que os governantes fazem que envergonham o povo que representam. Mesmo «tendo os livros»…
  • Comentário de Chris:
    «Têm-se sempre de se renunciar a algo que se deseja para se poder ter algo que se deseja ainda mais
  • O sorriso permanente do Dalai Lama lembrou-me um poema - escuto-o e compartilho-o. Lembra-nos que no que aos princípios diz respeito nunca devemos transigir e que o amor permanece para sempre. Segue este «Amor es…» de Dulce Maria Loynaz del Castilho - para escutar com alma e meditar: http://www.cervantesvirtual.com/servlet/SirveObras?Ref=5211&audio=0

domingo, 16 de Setembro de 2007

DOMINGO E AL-ANDALUZ

Como está só
a casca do vento
sem ti...

Dói. Diz-me,
como tu sem amor,
que falta orvalho
e só tem lágrimas filhas do Magreb...

Ah, lembro-me dela
ataviada de rosário,
brincando sorte na banca
n`Rbera de Julion
amava dançando o pó do Mindelo
em dia do dileto de Cristo
servia-se, servia e era riso à alma
e massa de lágrimas risos…

Meia vida depois,
encontramo-nos em Tunis negra,
Beja branca, Ceuta confusa
e chama-se Al-Andaluz
– chora tempestuoso
sem a alma que me amou.

E teve filhos maiores,
antes e connosco.
De vida
Ramon Jimenez: «Meu coração,
no teu.»
De morte – Garcia Lorca: «E o sol

todavia nasce.»
Como a nossa prole…

Assim, não está só – hoje.

Se o sentires aí, nas terras do Cabo
Verde, também sou eu
que te amo.
Lisboa, 16.09.2007
Virgílio Rodrigues Brandão

sábado, 15 de Setembro de 2007

PEDREIRO – HOJE.
09.30 AM. Passei a noite nos copos – que coisa boa!
Chequei à casa há pouco; como duas – sim, sou grande… – fatias de melão fresco, bebo um canecão de brinta com leite quase gelado e sento-me a escrever algo antes de ir trabalhar. Bem, antes acho que vou ver um pouco de Animê

Hoje, vou trabalhar como pedreiro!

Não faço isso desde o meu terceiro ano de Faculdade e pergunto-me: serei capaz de ter o mesmo desempenho de outrora? Serei o matador de tijolos, o preto incansável da talocha grande das empreitadas de reboco?... Admiro-me – bem, nem tanto, talvez… – por estar ansioso; mais do que quando defendo um homicida que sei culpado mas que merece defesa, um traficante de droga vítima da pobreza material ou moral ou uma vítima de uma injustiça qualquer…

Serei capaz de manejar o nível de água com sapiencia? Tratar com destreza a régua de madeira – devidamente verificada na sua esquadria e lineariedade -, a colher de pedreiro, a fita métrica e o cortador de mosaicos?... Ah, mais ainda: lembrar-me-ei bem da dimensão prática de fazer uma massa de três por um (3X1) e de fazer as coisas de forma a não chegar ao fim do dia como um noviço na maratona?

Ao pensar nisso – lembro de que todos os ofícios têm a sua ciência e que todas devem ser cultivadas sob pena de nos tornarmos obsoletos ou passarmos a vida a desaprender o que esta perigranação nos ensina. Lembro-me do ofício – o primeiro que tive aos 14 anos – e anseio este momento de renovação de conhecimento; faço isso porque a minha mãe quer o seu quintal com «mosaico cor de tijolo», prescindindo de alguns prazeres (mas não do seu marmeleiro que lembra «riberon fundo», do agigantado pé de alecrim que lembra-lhe o Porto Novo dos seus tempos de menina e dessa minúscula planta que – trazida da Holanda – teima em dar morangos em Setembro…

O pedreiro que contratou faltou – para cumprir com esse desejo de mãe, sou hoje, de novo, pedreiro.

Ah, vou comer sardinhas assadas (coisas boas guardam-se, nem que seja na arca congeladora…) e carapaus com molho à espanhola (espero) e beber um vinho tinto Amethystos da Grécia que deveria oferecer à minha doce e querida amiga Zita…E, no calor do dia, beber muita cerveja sem censura materna.

Hoje, só hoje… Quando era menino ouvia dizer – porque hoje é Sábado. Um sorriso é o maior salário do mundo – a de mãe, atrapalha Deus! Espero que isso aconteça ao fim do dia...

Post scriptum: O meu amigo Josué enviou-me um sms a dizer que esta noite roubou (¿) as cuecas de uma amiga acindental. Que confissão! Se não estiver cansado para me encontrar com ele, temos conversa para o intervalo do jogo do Benfica...


  • Lei de Kranske:
    «Acautele-se com o dia em que não tenha nada a incomodá-lo.»


sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

  • A noite está langorosa.

Convida-me a um Manhattan sweet straight up, à morna, funanã… Como o poeta, I can not resist temptation – esta, não.

CATIVOS DA METRÓPOLE – «CAMINHU LONGI»

01:00 AM. A noite continua escura – é da sua natureza, diz-me… Ah, pois... Prefiro pensar que do outro lado desta esfera milenar o Sol brilha com fervor ou que alguém, recostado sobre uma colina verdejante ou uma janela desejada está a ver estrelas no céu; de preferência amando…

Recebi um e-mail do Jorge Martins a dar-me conta da apresentação [19.Set. - Casa Fernando Pessoa em Lisboa] do livro «O fim do Caminhu Longi» de Augusto Nascimento e que retratará a vida dos emigrantes (!) – quais emigrantes, qual carapuça!, contratados feitos escravos à força pelo poder colonial – cabo-verdianos em São Tomé e Príncipe. Obra que, a seu tempo, terá a minha atenção de leitor estudante.

Mas, agora, pergunto-me: porque (a) é que o Estado português nunca foi demandado por este crime contra a humanidade - é disso que se trata! - cometido contra os cidadãos cabo-verdianos que escravizou; (b) nunca se exigiu ao(s) Governo(s) de Portugal a assunção da sua responsabilidade para com os cidadãos que ainda estão retidos em S. Tomé e Príncipe a sonhar, com as «asas douradas» do pensamento, com a sua «pátria bela e perdida.»

Pelos dias vergados – invocando um não memoricídio, para relembrar a minha gente em S. Tomé, compartilho este Va pensiero do «Nabuco» de Verdi: às margens do Rio Eufrates (Iraque) os escravos hebreus do rei Nabucodonozor (que levou o povo de Israel e o malogrado rei Joaquim cativos para a metrópole Babilónica – como nos ensina o profeta Daniel) cantam: «Oh mia patria sì bella e perduta! Oh membranza si cara e fatal!» Pode(ria) bem ser uma morna que se ouve nas roças do «caminhu longi»…

Ah, será por isso que - num elogio da História à nossa gente mártir - sempre ouve a vexata quaestio de saber quem é/era o autor de «Sodade»? Va pensiero:

·

«Vai, pensamento, em asas douradas,

vai, pousa sobre as colinas

e montes onde sopram as doces brisas,

a quente e leve fragrância da nossa terra natal!

Do Jordão, das saúdas margens

e das desoladas torres de Sião...


  • Oh pátria minha tão bela e perdida

Oh lembrança tão querida e fatal!

Harpas de ouro dos fatídicos lamentos

porque pendem mudas nos salgueiros?

A memória no peito revive

a qual fala de um tempo que se foi

Cada um como Sodoma nos fados

lança um som de profundo lamento,

que o Senhor te inspire uma canção

que insufle coragem no padecer.»

in Nabucodonosor, Giuseppe Verdi
·

  • Lei de Rudin
    «Quando surgem crises que forçam as pessoas a escolher entre duas vias de acção possíveis, a maior parte escolhe a pior delas.»

quinta-feira, 13 de Setembro de 2007

AMOR QUE CHEGAS TARDE


Amor que llegas tarde,
traeme al menos la paz:
Amor de atardecer, por que extraviado
camino llegas a mi soledad?


Amor que me has buscado sin buscarte,
no se que vale mas:
la palabra que vas a decirme
o la que yo no digo ya...


Amor... No sientes frio? Soy la luna:
Tengo la muerte blanca y la verdad
lejana... No me des tus rosas frescas;
soy grave para rosas. Dame el mar...


Amor que llegas tarde,
no me viste ayer
cuando cantaba en el trigal...

Amor de mi silencio y mi cansancio,
hoy no me hagas llorar.


Dulce Maria Loynaz de Castillo:

CAMPOS FLORIDOS DE CINZA



  • Este céu solitário, fere-me.
    De luz, não me calo.
    Ante tanta tristeza
    preciso de palavras que recriem
    sonhos inocentes.

    Esta solidão voluntária
    lembra-me uma infância inexistente
    da dor criada homem.

    Tanta luz…
    Tanta beleza…
    Tanta melancolia infecunda…
    Dói! Como esse aroma sonoro de Bellini,
    essa loucura pela loucura insatisfeita:
    Campos de flores sem fim
    guardados na memória do sonho
    há muito cinza.
    Virgílio Rodrigues Brandão

    • Jessye Norman (na foto) cantando «Ave Maria» de Schubert: http://www.epdlp.com/clasica.php?id=628
    • Lei de Gresham: «Os assuntos triviais são prontamente tratados; os assuntos importantes nunca são resolvidos.»

    quarta-feira, 12 de Setembro de 2007

    LA NOCHE OSCURA


    S. JOÃO DA CRUZ - LA NOCHE OSCURA
    En una noche oscura,
    con ansias en amores inflamada,
    (¡oh dichosa ventura!)
    salí sin ser notada,
    estando ya mi casa sosegada.
    A oscuras y segura,
    por la secreta escala disfrazada,
    (¡oh dichosa ventura!)
    a oscuras y en celada,
    estando ya mi casa sosegada.
    En la noche dichosa,
    en secreto, que nadie me veía,
    ni yo miraba cosa,
    sin otra luz ni guía
    sino la que en el corazón ardía.
    Aquésta me guïaba
    más cierta que la luz del mediodía,
    adonde me esperaba
    quien yo bien me sabía,
    en parte donde nadie parecía.
    ¡Oh noche que me guiaste!,
    ¡oh noche amable más que el alborada!,
    ¡oh noche que juntaste
    amado con amada,
    amada en el amado transformada!
    En mi pecho florido,
    que entero para él solo se guardaba,
    allí quedó dormido,
    y yo le regalaba,
    y el ventalle de cedros aire daba.
    El aire de la almena,
    cuando yo sus cabellos esparcía,
    con su mano serena
    en mi cuello hería,
    y todos mis sentidos suspendía.
    Quedéme y olvidéme,
    el rostro recliné sobre el amado,
    cesó todo, y dejéme,
    dejando mi cuidado
    entre las azucenas olvidado.

    terça-feira, 11 de Setembro de 2007

    • A ELECTRA DE LISBOA E A IMPUNIDADE
    Da janela da minha casa tento ver as estrelas no céu… Nada! A culpa, penso, é das luzes que me circundam; da competência da EDP. Desejo: porque não tenho uma Electra aqui!?... Assim, quase de certeza, poderia brincar com as constelações, ser menino outra vez como era em Mindelo – sem predadores de corpo e alma – e talvez lembrar e contar-me umas estórias como «João grande e João pequeno»...

    Se as estrelas não estão aqui devem ter migrado para os céus de Cabo Verde, repenso; ou para o firmamento da minha alma – diria, não fosse ter lido há pouco um Relatório [Outubro 2006/Setembro 2007] do Secretário Geral da ONU ao Conselho de Segurança a dar conta de violações em massa de crianças, especialmente de meninas, na Costa do Marfim a coberto de uma «cultura de impunidade».

    Deve ser por isso que as estrelas estão escondidas hoje – como eu, têm vergonha deste nosso silêncio cúmplice e desta forma de rapina da vida. O que me arrepia é saber que na nossa terra – na sombra dos silêncios moldados de morabeza toldada – também se cometem estes crimes; pode ser uma questão de grau, mas um crime é um crime, um ser humano é um ser humano. Uma criança e uma estrela são a mesma coisa – afinal não somos pó das estrelas?

    Na televisão - lá longe, discute-se o «caso Madelleine McCain»…

    O relatório pode ser lido aqui: http://daccessdds.un.org/doc/UNDOC/GEN/N07/487/44/PDF/N0748744.pdf?OpenElement

    segunda-feira, 10 de Setembro de 2007

    SOBRE A EXTRADIÇÃO – HOJE.

    Começo o meu dia com este exemplo que vem de Portugal sobre a possibilidade de extradição dos seus cidadãos para os Estados Unidos. Para ler atentamente, o texto publicado hoje no Diário da República:

    «Decreto do Presidente da República n.º 96/2007 de 10 de Setembro (Diário da República, 1.ª série — N.º 174 — 10 de Setembro de 2007, p.6357).

    O Presidente da República decreta, nos termos do artigo 135.º, alínea b), da Constituição, o seguinte:
    Artigo 1.º
    É ratificado o Instrumento entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América, feito em Washington em 14 de Julho de 2005, conforme o n.º 2 do artigo 3.º do Acordo entre a União Europeia e os Estados Unidos da América sobre Extradição, assinado em Washington em 25 de Junho de 2003, e o seu Anexo, feito em Washington em 14 de Julho de 2005, aprovado pela Resolução da Assembleia da República n.º 46/2007 em 12 de Julho de 2007.
    Artigo 2.º
    Na troca dos instrumentos prevista no n.º 7 do Instrumento entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América conforme o n.º 2 do artigo 3.º do Acordo entre a União Europeia e os Estados Unidos da América sobre Extradição, assinado em 25 de Junho de 2003, Portugal efectuará a seguinte declaração já apresentada relativamente à assinatura:

    «A República Portuguesa declara que, nos termos do direito constitucional português, existem impedimentos à extradição relativamente a infracções puníveis com a pena de morte, com pena de prisão perpétua ou com pena de prisão de duração indeterminada.

    Em consequência, a extradição por tais infracções só pode ser concedida de acordo com condições específicas desde que sejam consideradas pela República Portuguesa como compatíveis com a sua Constituição.

    Na hipótese de surgir um caso em que estejam envolvidos os princípios constitucionais de Portugal acima descritos, a República Portuguesa invocará os termos do §4.º do Instrumento.»
    Assinado em 22 de Agosto de 2007.
    Publique -se.
    O Presidente da República, ANÍBAL CAVACO SILVA.
    Referendado em 31 de Agosto de 2007.
    O Primeiro -Ministro, José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa»

    A Constituição cabo-verdiana não é tão permissiva como a portuguesa – mas esta não deixa de ser muito cautelosa; muito. Mesmo considerando que, para muitos, as Convenções internacionais primam sobre a Constituição – Portugal não deixa de (no momento de ratificação da Convenção; note que levou 4 anos...) fazer esta declaração que é uma autêntica reserva à Convenção sobre extradição entre a União Europeia e os Estados Unidos da América.

    Temos em Cabo Verde soluções internas – apontadas pela Constituição – para resolver o problema do julgamento de pessoas procuradas noutras ordens jurídicas por crimes graves e que não podem ser extraditadas do país. Mas devem ser julgadas.
    Ao trabalho, que se faz tarde!

    Lamentação de Lofta:
    «Nunca ninguém consegue, só por si, fazer as coisas suficientemente bem.»


    CABO VERDE: DESOVA DE TARTARUGAS

    «PATRIMÓNIO COMUM DA HUMANIDADE» OU PATRIMÓNIO MUNDIAL?


    «A propósito da aplaudível protecção das tartarugas em Cabo Verde li na imprensa cabo-verdiana que «[...] o PM disse que “Cabo Verde é o segundo país no Mundo onde as tartarugas desovam, o que constitui um património mundial extremamente importante”» e não pude deixar de escrever algumas linhas sobre isso; não sei se é por ter comido muitos ovos de tartaruga quando era menino e ter degustado a carne das mesmas e hoje ter a consciência pesada por isso – mas era menino e aos meninos se perdoa com facilidade – ou se é por achar que Cabo Verde poderia maximizar algumas das suas características naturais e não o faz.

    Seja como for, é de todo verdade um facto: a espécie está em vias de extinção e merece a protecção de todos os que podem fazer algo para preservá-la; educar os jovens e a população em geral para a protecção dos ecosistemas marinhos e conexos é fundamental para o futuro do país e é de aplaudir e de louvar com entusiasmo, desde que seja sustentado no tempo e corresponda à uma visão estratégica ambiental com vista ao desenvolvimento.

    Mas o que me motivou – além das memórias de menino e algum criticismo social – a lavrar este texto foi o facto de haver uma confusão quase generalizada entre «Património Mundial» e «Património Comum da Humanidade», que são institutos jurídicos substancialmente diferentes.

    O património mundial é um bem ou um local com excepcionais características culturais e/ou naturais que, reconhecido e classificado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação), pode aceder aos fundos de conservação e presevação do World Heritage Fund criada pela «Convenção sobre a Protecção do Património Cultural e Natural», adoptado pela Conferência Geral da UNESCO em Paris a 16 de Novembro de 1972 e ratificado por Cabo Verde a 28 de Abril de 1988. Como seriam os casos dos núcleos históricos de São Filipe e Chã das Caldeiras, na Ilha de Fogo ou da cidade velha em Santiago (o que, aliás, Cabo Verde já promoveu).

    Seja como for, uma coisa é considerarmos este ou aquele espaço património mundial – como as praias Boavisteira e São vicentina onde ocorrem as desovas das tartarugas – e outra, substancialmente diferente, é a mesma ser considerada e reconhecida pelos organismos internacionais competentes. Infelizmente, os locais em causa não o são; mas podem vir a sê-lo...

    Os espaços naturais de desova das tartarugas – santuários imemoriais para as mesmas – pela sua importância global para a humanidade, na perspectiva da preservação da espécie que nos terá precedido planeta, tem ou terá mais possibilidades de conseguir esse estatuto que os locais referidos e já promovidos por Cabo Verde, à imagem do que acontece, por exemplo, com o santuário nacional das aves de Djoudj, no Senegal ou com a paisagem vinhateira dourense em Portugal. Não é porque os outros lugares não mereçam esse reconhecimento – a meu ver merecem-no – mas porque há diferenciar o diferenciável e a singularidade da natureza e da vida da obra humana.

    A consciência dessa dimensão de «património mundial» ou colectivo desses espaços de excelência de preservação da vida de uma espécie em extinção por parte do Primeiro Ministro de Cabo Verde deverá, espero, ter a consequências necessárias que é a) continuar a promover a protecção dos espaços em causa [nomeadamente com o programa de monitorização via satélite das tartarugas e na prevenção da contaminação desses espaços pelo turismo urbano ou economicista] e b) promover a sua classificação como «património mundial» pela UNESCO. Sendo certo que estes espaços têm já uma protecção jurídica internacional, nomeadamente pela «Convenção sobre Diversidade Biológica», assinada no Rio de Janeiro, em 05 de Junho de 1992.

    No entanto, quando falamos de bens (no sentido técnico de «bem jurídico») ou espécies em vias de extinção, como é o caso das tartarugas, já não falamos de «património mundial» mas sim do conceito de res communis humanitas – de «património comum da humanidade»; isto é, de um «bem» que interessa à toda a humanidade e que não é passível de apropriação ou comércio em benefício particular de qualquer pessoa singular ou colectiva, ainda que Estado – serão os casos dos corpos celestes, da diversidade genética e linguística e dos fundos marinhos do alto mar. Neste último caso, com a emergência da Convenção das Nações Unidas Sobre o Direito do Mar – conhecida como a «Convenção de Montego Bay» de 10-12-1982, é represdistinado o conceito latino de património comum da humanidade que tem subjacente uma ideia simples: existem bens jurídicos que pertencem à toda a humanidade e a sua preservação é um direito e um dever de todos.

    As tartarugas fazem parte da memória colectiva do Cabo Verde profundo e a sua protecção – assim como da nossa diversidade linguística e étnica – deve ser um traço distintivo da estrutura geocultural da pátria e uma forma de promover essa coisa plana e serena que vamos aprendendo e construindo e que chamamos de caboverdeanidade.

    Sejam do mundo ou da humanidade, são, antes de tudo, nossas. E se não preservamos o que é primeiramente nosso – porque nascem nas areias paridas pela nossa terra –, alguém o fará por nós?... Sempre que vejo uma tartaruga, olho e penso com nostalgia: Aquela deve ter nascido na mesma terra em que nasci... E será que elas sabem o que é o ius soli?... Não sei, mas comecei a pensar em adoptar uma tartaruga criola; é que elas – no silêncio dos dias e no pulsar mecânico dos satélites – também levam o nome de Cabo Verde ao mundo.»

    Post scriptum: Vejo nas televisões europeias a forma bárbara como (ainda) se matam as tartarugas e sinto-me profundamente envergonhado de pertencer à mesma espécie desses algozes. Ah, sei que (já o ouvi…) correrá mundo o comentário: são cabo-verdianos, bárbaros da faca. Desta vez ouvi e pensei que - atentando no horror que vi - havia um pouco de verdade nesse juízo. Se, colectivamente, não somos culpados por acção, somos por omissão; pensei e resolvi represtinar este texto publicado algures há cerca de dois anos.

    Para mim é claro: até mesmo comer tartaruga deve(ria) ser considerado crime! E, assim, vamos ficando cada vez mais pobres...

    Virgílio Rodrigues Brandão

    domingo, 9 de Setembro de 2007

    • A Regra da Lei
    Se os factos estão contra si, ponha em questão a lei.
    Se a lei está contra si, ponha em questão os factos.
    Se os factos e a lei estão contra si, grite que nem um possesso.

    Tagore e Gandi
    • REGALO DE AMANTE

    Anoche, en el jardín, te ofrecí el vino espumeante
    de mi juventud. Tú te llevaste la copa a los labios,
    cerraste los ojos y sonreíste;
    y mientras, yo alcé tu velo, solté tus trenzas y traje sobre mi pecho tu cara dulcemente silenciosa;
    anoche,
    cuando el sueño de la luna rebosó el mundo del dormir.
    Hoy, en la calma, refrescada de rocío, del alba, tú vas camino del templo de Dios, bañada y vestida de blanco, con un cesto de flores en la mano. Yo, a la sombra del árbol, me aparto inclinando la cabeza; en la calma del alba, junto al camino solitario del templo.
    Rabindranath Tagore

    Para escutar: o Schubert de Domingo à tarde... http://www.epdlp.com/asf/schubert2.wmv

    Zhang Jiuling

    • ORCHID AND ORANGE II
      Here, south of the Yangzi, grows a red orangetree.
      All winter long its leaves are green,
      Not because of a warmer soil,
      But because its' nature is used to the cold.
      Though it might serve your honourable guests,
      You leave it here, far below mountain and river.
      Circumstance governs destiny.
      Cause and effect are an infinite cycle.
      You plant your peach-trees and your plums,
      You forget the shade from this other tree.

      Como as coisas belas não andam sós: O «Concierto de Aranjuez», de Joaquín Rodrigo - para escutar...
      http://www.epdlp.com/clasica.php?id=480

    A NOVA PERESTROIKA

    Sábado de noite – depois de construir este «blog», meu momento de reflexão. Lembro-me de, há exactamente vinte anos, estar a falar com o Rahil Samsser Khan – entusiasmado com o livro «Perestroika» de Gorbachov que acabara de ser publicado em Portugal; não era das minhas prioridades de leitura (Alvin Toffler – A Terceira Vaga e o Choque do Futuro –, Samuel Noah Khamer e E.W. Kenyon estavam no topo da minha lista) e acabei por lê-lo. Na altura disse-lhe que a União Soviética caminhava para a desintegração com a abertura que se anunciava; disse-me, convictamente que não – mas isso era uma evidência para quem «lê a História» (sempre assim: quando um Governo despótico se «humaniza», cai…) e leu atentamente a «Perestroika».

    Duas décadas depois, é o que sabemos! Mikhail Gorbachov, na sinceridade dos seus propósitos, pretendia curar a sociedade soviética das suas «doenças» e criar uma sociedade mais igualitária – mas não um capitalismo selvagem, liberalismo autofágico ou uma sociedade escandalosamente desigualitária em que o preço de uma mala vale o salário anual de muitos homens… Não era isso, não…

    Hoje, e ao logo dos anos temos visto o antigo Secretário Geral do Partido Comunista Soviético – Mikhail Gorbachov, enriquecer como Conferencista pago a «peso de ouro»; nada mais legítimo. Agora, cede – de vez, aos encantos do capitalismo e se prontificou a ser cara de um anúncio da Louis Vuitton: de mala luxuosa e sobretudo de caxemira passa em limusina de luxo em frente ao muro de Berlim que a sua «Perestroika» ajudou a derrubar.

    Ao participar neste anúncio, agora, vem derrubar um outro murro – o ético; para ele, está provado, o capitalismo venceu! Para ele… Mas sabemos nós o que vai na sua alma e quais as suas necessidades? Se não pode fazer um povo feliz, mesmo contra a sua vontade, que seja ele mesmo feliz – a Louis Vuitton ajuda; ai se ajuda…. Seja como for, é de dizer, com Cícero: Oh, tempos, oh, costumes! Pois é, o mundo é mesmo feito de mudanças…

    sábado, 8 de Setembro de 2007

    • «Amo a minha terra; mas, com uma paixão inusual,
      A minha mente não é capaz de a absorver, ainda!»

    «Minha Terra», Lermontov

    • LÍNGUA MATERNA

      Quando todas as línguas nasceram
      nos pés da Babel edificada por migrante
      expurgado da verdade,
      o seu ventre primeiro
      era negro
      – mater de mãe,
      sarcófago de vinho iniciático,
      maldição pós-dilúvio,
      segredos; sim,
      segredos como os que te afrontam
      na hora primeira.

      Negro, sim
      negro era o proto-segundo
      do universo parturiente
      e hoje coração-ideia de Deus
      quando sonhava companhia
      e te via,
      me via,
      nos via
      no saco amiótico do seu desejo…

      Negro. Oh, sim…
      Negro eram os rostos
      – por determinação democrática –
      que Agostinho via nas vias de Tagasta
      e como me concebia nas fraldas de Mindelo
      menino pé-descalço por vergonha
      e feliz por não ser diferente.

      Negro – Oh, como os dias
      são tão plenos de luz
      vítrea, cortante, cega,
      intranquila… – escuta;
      mas fecha os olhos…

      Negro – sim, negro
      é também a cor da minha pele,
      a alma da bainha do meu puro
      adocicado de crepúsculo,
      o teu leito de sins e ais,
      a ausência de desejos
      – teus, meus, de Deus
      pois negro é, também,
      o fechar dos olhos
      e o início de ver.

      Oh, sim – disse-me a Aurora boreal –,
      quando todas as línguas nasceram
      a raiz era negra,
      o ventre era negro
      o sonho era negro
      e o filho chama-se ver,
      ou será Nimrod?...
      Virgílio Rodrigues Brandão