sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

| O COMUNISMO SERÓDIO DE NELSON MANDELA E O HUMANISMO

A 11 de Fevereiro de 1990 Nelson Mandela saía da prisão, depois de décadas de encarceramento por motivos políticos. Há, exactamente 20 anos e um dia saia da prisão para dar uma lição de humanidade ao Mundo e, aos políticos, mostrar-lhes que o caminho não é a eternização no poder mas sim fazer o melhor que se pode para os cidadãos da nação nas circunstâncias em que estiver. A lição está aí, perene e uma espada para as consciências, para ser apreendida. Uma lição magna de vida de que os homens mudam, e são, no plano do ser, o que escolherem ser como pessoas.

Na sua juventude, ainda estudante de Direito, conheceu a teoria comunista — e se deixou seduzir pelo canto dos amanhãs que cantam — e, mais tarde, a Satyagraha, a teoria da não-violência e da resistência pacífica de Gandhi. Este dizia que «A força de um homem e de um povo está na não-violência» (parafraseava Plutarco: «a grandeza de um povo está na forma como enfrenta desgraça»), e, por isso, Tagore o denominou de Mahatma — grande alma.

A escolha de Nelson Mandela foi e era simples: entre o comunismo conquistador — que tinham uma dimensão opressora da liberdade da pessoa humana — ou um humanismo activo e não violento. Venceu, em Nelson Mandela, a consciência de um humanismo activo e democrático — pelo que a atitude de dar as mãos aos seus algozes, numa prova de que a acção deve acompanhar o discurso e de que devemos mostrar ao mal que não somos melhores do que os que o praticam mas somos e devemos, sim, melhores do que o mal, e compartilhar com eles o poder é de uma singularidade que chega a transcender a natureza humana e a sua relação com o poder.

Mas, além disso, Nelson Mandela também é o testemunho vivo de que se pode transcender a consciência política do socialismo democrático e o pseudo humanismo que sustenta e, no plano político e social, trilhar um caminho mais humano e mais justo. Não é, assim, por acaso que há algumas décadas que se houve falar em capitalismo de rosto humano e até, num plano mais alargado, de política de rosto humano. Mas porquê política de rosto humano? Pressupõe esta asserção de que a política não é de rosto humano? Não, pois tal seria contra a própria política — como arte de governar, e bem governar. O que pressupõe é que os políticos governam de forma desumana, olhando para o seu umbigo e ventre anafado e não para a barriga, a educação e a cultura dos cidadãos cujos interesses governam.

A final, há que dizer que não se deve ter medo dos comunistas — como Churchill tinha, a ponto de elogiar o nacionalismo fascista italiano de Benito Mussolini, chamando a este «o maior legislador vivo», ou que levou à hedionda caça às bruxas no “democrático” Estados Unidos da América — mas sim pensar que, em dado momento histórico, muitos foram os homens bons que apoiaram o comunismo, o trotskismo, o nacional-socialismo, o fascismo e quejandos.

O homem de hoje é que importa, e não se tem de renegar nem esconder as origens para se ser o que almeja. A coragem de ser a soma de todas as coisas que vivemos é que faz o homem — não vale a pena querer-se ser super-homens, pois aí nasce o mal de todos os ismos. A grandeza de Mandela, e de todos os homens anónimos igualmente grandes, é não querem ser grandes, é não quererem ser mais do que os outros. Isso, sim, é humanismo. Mas há quem queira fica no passado, e no passado ficará. E isso, também, é humano. E isso, também, é liberdade; liberdade e crescimento, próprio da idade mental das pessoas.

Imagem: Nelson Mandela, no dia da sua libertação

4 comentários:

Anónimo disse...

Ainda a propósito de liberdade, eis que o nosso Primeiro-Ministro, José Maria Neves, como observa o jornal asemana "resolveu entrar no mundo dos blogs, criando o seu próprio blog cujo endereço é: www.josemarianeves.blogspot.com “Mais perto de quem importa é o seu lema”.
Agora podes expor as tuas preocupações directamente a ele no seu blog. Sei que farás isso (e vi que já és seguidor do blog), mas creio que os blogueiros da praça não terão esse arrojo, pois manda boca é só na ses blog.
Inédito essa iniciativa, não é, VB!?
Iolanda Silva.

Virgilio Brandao disse...

Iolanda,
a iniciativa de José Maria Neves é corajosa e de saudar - a vários níveis. Comentei sobre isso no blog em causa, e editarei o comentário aqui, depois de devidamente moderado pelo blogueiro.

Agora, o Primeiro Ministro coloca-se a jeito para perguntas incómodas e inusitados ataques. Veremos se consegue se aguentar até Julho de 2011, e se levará até às últimas consequências o que anuncia.

Abraço fraterno, Iolanda.
PS: Como é que a Praia? Aqui faz um frio horrivel, e chove.

JB disse...

Não há coisa pior do que colar etiquetas na testa da gente e depois querer colocar todo o mundo no mesmo saco. Cada um é como é. Uns farão certamente comentários, outros não. Normal. Essas generalizações é que não só são redutoras como não fazem qualquer sentido.

Virgilio Brandao disse...

Pois é João, por vezes temos a temos tendência de esquecer que os bons juízos morais devem ser indutivos.

Agora, confesso que não entendi o raciocíno que subjaz à afirmação da Iolanda Silva - é que tem uma conclusão e não entendi o processo da mesma. (Faço uma indução subjectiva e compreensiva da mesma, mas é tão subjectiva que fica para mim.) Se a Iolanda quiser esclarecer-nos do sentido e razão da sua afirmação, eu, por mim, ficaria grato.

O apriorismo é, não raras vezes, desvastador nas suas consequências e alimenta equívocos desnecessários.

Abraço fraterno
PS: O José Maria Neves entrou num mundo em que, infelizmente, as regras são demasiado voláteis e é-se "excessivamente" livre. Será "preso por ter cão e por não ter cão" pois colocou a bitola do seu existir como blogueiro demasiado alto para quem ocupa as funções de Primeiro Ministro de um povo singular como o cabo-verdiano.