terça-feira, 5 de maio de 2009

  • A PENA DE MORTE NO FEMININO
Delara Darabi, cidadã iraniana, 22 anos. Mais uma vítima da pena de morte – executada quase na clandestinidade por um crime que lhe foi imputado a prática tinha ela 17 anos. «Vamos executar a vossa filha, e não há nada que possam fazer acerca disso» – anunciou por telefone um funcionário da Prisão Central de Rasth aos pais de Delara Darabi, momentos antes de a enforcarem. Ainda pôde telefonar aos pais, e dizer:

– Oh, mãe! Vejo o nariz carrasco à minha frente. Vão executar-me. Por favor, salva-me!

A barbárie ainda resta no sistema judicial iraniano – mas não só, não só… a história de Delara Darabi parece-se com o espelho de histórias consabidas: as mulheres se sacrificam para salvar os namorados, os amantes, os maridos… Mas a natureza das coisas – para não falar da justiça real e verdadeira – não demanda o contrário? Não é suposto ser o homem a sacrificar-se pela mulher que ama ou diz amar? É. Mas aqui, ao que parece, Delara teve o destino de Eva: enganada pelo mal – com uma meia verdade, uma mentira branca. Os homens não prestam – dizia Vinicius de Moraes. A verdade é que somos uma espécie condenada a auto-extinguir-se; e, sinceramente, não sei se não é mesmo merecido o destino que vamos construindo.

Imagem: Delara Darabi, executada por enforcamento, às 07:00 de Sexta-Feira.

2 comentários:

Jessica disse...

VB, o que poderá uma mãe fazer perante este apelo de sua filha?

Sad, very sad, a impotência de não poder salvar a filha ou de lhe dar um último beijo...

Mundu e bemba..., por obra de homens

Tenta ter um dia feliz

:~(

Nita disse...

Cá vou tendo FÉ que UM DIA, ALGUM DIA... no Mundo, com todas as Criaturas ( porque para mim, tudo é Criação) venham a viver HUMANOS...Pessoas...Gentes...Racionais dignos dessas denominações.
dia bom,
Anita