quarta-feira, 7 de outubro de 2009

  • MEMÓRIAS & MAIS
Ando a rever uns filmes da minha infância e juventude, a comparar a minha alma com o passado. Ontem a noite vi Siddhartha, baseado no livro de Herman Hesse, com Shashi Kappor no papel principal e realizado por Conrad Rooks.

Vi-o, pela segunda vez, no Mindelo, no Eden Park. Belo cinema! Poucas vezes terei visto tantas caras desapontadas a sair de um cinema como vi nesse dia. A realização não é o melhor, a história não é muito fiel, e tanta, tanta coisa me parcece inadequada no filme (o filme, lembro, não foi muito amado na terra). Ontem à noite, o que é dizer: com os olhos de hoje. «Deveria ter deixado o filme na memória, com as construções de menino?» — pergunto-me.

Imagem:
Siddhartha Gautama

2 comentários:

Jonas disse...

Porra pá estamos mesmo em sintonia é assustador meu também eu ando a ver os filmes da minha juventude ainda ontem vi o garganda funda e um outro velhinho em sueco que tenho em vhs e que não dá para dizer o nome.
Mas oh companheiro no meu caso correu tudo bem ando a comparar a minha extremidade peniana actual com a do passado e continua um monumento. garantido!
rsrsrsrsrssr

Virgílio Brandão disse...

Jonas,
não sabia que peixe também fazia comparações... vejo que guardaste medidas de menino! LoL

Garganta Funda, lembro-me de quando estreou no Mindelo... numa Terça-feira em que toda a gente queria ir ver o filme no Eden Park. Parecia as filas dos miúdos para comprarem o último livro do Harry Potter. Belos tempos... hoje os doutores da terra teriam medo de o fazer!

Não vi o filme, naturalmente. Vi depois, uns bons anos depois (num Domingo a tarde, no Arco Iris, em Lisboa - se a memória não me atraiçoa). Nunca me ocorreu foi fazer comparações como essa que fazes. Coisas de peixe, pois claro.

Mantém é o monumneto vivo, e usa-o! pois um dia será como a Acrópole de Atenas: só servirá para ver e pensar na maravilha que foi. Lol