sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

  • 1964
II

Ya no seré feliz. Tal vez no importa.
Hay tantas otras cosas en el mundo;
un instante cualquiera es más profundo
Y diverso que el mar. La vida es corta
y aunque las horas son tan largas, una
oscura maravilla nos acecha, la muerte,
ese otro mar, esa otra flecha
que nos libra del sol y de la luna
y del amor. La dicha que me diste
y me quitaste debe ser borrada;
lo que era todo tiene que ser nada.
Sólo me queda el goce de estar triste,
esa vana costumbre que me inclina
al sur, a cierta puerta, a cierta esquina.
Jorge Luís Borges

.
  • Imagem: Rembrandt, Moses smashing the tables of the Law

6 comentários:

Jessica Helena disse...

Ano belo..., VB?
;)

Anónimo disse...

"Só me resta o gozo de ser triste"
Será o designio de quem?

Virgílio Brandão disse...

É Jessica…,
o mais belo de todos os anos que este planeta já viveu.

Esta é, de todo, uma resposta narcísica. :-)

Anónimo,
I don´t have a clue. Mas posso dizer-lhe – caso não saiba (brincadeira) – que há muitas formas de gozo e de felicidade; inclusive na melancolia… para quem seja capaz disso. Mas, porquê ficar e/ou estar triste, se, como diz o Borges poeta, «Hay tantas otras cosas en el mundo»?

Agora, pergunte ao poeta (ele está aí, à sua frente plasmado) – talvez consiga ouvir a resposta que almeja. Posso dar uma pista de escuta: este poema foi (terá sido) escrito para Estela Canto.

Ah, é o «só me resta o gozo de estar triste», não ser. O amor, por vezes, mesmo no meio da maior das felicidades faz-nos (aos poetas) estar tristes. Entre o ser e o estar existe a diferença que encontrará entre a Fossa das Marianas e a Galáxia de Andrómeda. :)

PS: Olhe…, mas olhe com olhos de ver e com o seu coração e, depois, diga-me se consegue falar de alegrias. Eu olho, em particular para certa porta, certa esquina…

Anónimo disse...

"I don´t have a clue." Esta é do LR, é linda, e no fim diz i just want to l....., diria eu, the world.
Por isso, acho que nenhum ser humano deve ter o designio de estar e/ou ser triste.

Seria a mulher mais feliz do mundo sabendo que ninguém tem o direito de estar triste. Why???...

Um dia, talvez! Acredito.

Jessica disse...

Se calhar os de 64 têm alguma missão a cumprir por cá, além de fazermos o outro feliz, não é VB? ;)

Virgílio Brandão disse...

Anónimo,
desígnio... não. Mas «estar» é, de tudo, condição humana.

Agora, um dia... talvez. Se acreditar que Deus «... limpará os olhos de toda a lágrima». Mas só assim.

Mas para tal seria necessário percorrer um caminho como o de Yudhistira... ou ter uma alma como a dele. Crer... não chega.
:-)

Jessica,
life is full of surprises. O que sei é que temos todos a obrigação de deixar este Mundo melhor do que o encontramos; pelo menos não contribuir para que fique pior.

Toda a gente é especial, menos «eu» - o que vê o «outro».

:-)