domingo, 1 de fevereiro de 2009

12 comentários:

Jessica disse...

Parece que a poesia desperta de madrugada! Será o momento da iluminação ou da dor, VB?
:~)

Virgílio Brandão disse...

Jessica,
escrevo porque gosto; nao por causa de qualquer dor - mesmo a de existir... que é uma condiçao necessária do ser consciente.

A iluminaçao está, por enquanto, longe. Por enquanto a conciencia disso vai servimdo. Mas escrever é uma forma de consolaçao - no sentido estético e filosófico.

A Jessica lembra-me, na forma como escreve, uma pessoa; mas essa não é muito apreciadora da minha poesia.

:-)

Nita disse...

Quando o favor das circunstâncias colabora com os esforços e desejos, as vitórias podem se suceder e ultrapassar a própria ambição daquilo que o ser humano aspira.
Poema, que me tocou fundo na Alma.
Apreciei IMENSO. Força!

Jonas disse...

Nita, amiga, à tua opinião sobre isto assim tão franca só me resta pagar na mesma moeda e confessar que neste caso nem me dei ao trabalho de ir ao Google porque teria que googlar praticamente todas as palavras em vez disso inscrevi-me antes num curso on line de mandarim hehehe

Jessica mesmo que o "poeta" diga que não lhe doi não acredites pá porque uns versos tão baralhados comoo caraças foram escritos de certeza atirando um dicionário ar manga de vezes e isso temos que concordar faz doer o corpo

Tirando isto também gostei muito do tom azul do fundo um gajo também não pode estar sempre a mandar abaixo continua que elas gostam rsrsrsrs

Nita disse...

Jonas, peixinho amigo,
Pagar é sempre bom. Quem contrai dívidas, deve pagá-las.
Por mim, podes fazê-lo com moedas ou em cheque mas, com cobertura. hahahahahahahahahhhhahhhhhhhaaaaaaa
Sabias que cá na Holanda, também, a moeda corrente é o euro?
Talvez não sabias e, assim já ficas a saber. Aliás, em Amsterdam, está o Banco Mundial que faz câmbio de todas as moedas do Mundo. Mesmo das que conseguires apanhar no fundo do teu aquário.

aviso amigo: ao mergulhares, tem cuidado com as curvas e, lembra-te de te respirar sempre e, normalmente. Não precisas de exibir mais habilidades que as que já demonstras como PALHAÇO GRATUITO.

Ah! joninha... doninha .... ou joaninha...
continua a confessar. Ser-te-ei toda ""ouvidos", para tuas preocupações e desaires, embora o meu tempo é demasiado limitado.
Sabes! Cá, na Holanda, trabalha-se a sério e a responsabilidade é-nos sempre exigida.
Traz sempre e mais palhaçadas. O meu hobby principal, é o RISO...gargalhadas.
até mais,
carpe diem,
Anita

Virgílio,
aguardo mais poemas teus.
Com fundo azul ou rosa, que venham sempre! Cada um gosta do que gosta.

PS: Tens algum medicamento eficaz contra a dor de cotovelo?
Se tiveres, recomenda-o a quem dele necessita. Sei que amigo és.
beijo,
Anita

Jonas disse...

Meninas agradeço a vossa amizade só não sei muito bem o que poderá um simples mas esforçado peixe fazer com duas damas tão bem dispostas...Any thoughts?
O vosso peixinho JONAS

PS: Será que a Nita e a Jessica são a mesma pessoa e o Virgílio Brandão e o Jonas um só cromo? Ora aqui está uma pergunta do caraças!

Virgílio Brandão disse...

Jonas, Jonas...
já leste o teu Livro (vai lá à Biblia e vê como ficaste febril às portas de Ninive, com uma insolação)?

Não sabes, ó peixinho Jonas, se és o que és? Representas-te neste ser em contrução e que é mais do que brando, mais do que brandinho, Brandão?

É(s) mesmo do Caraças!

Olha que eu gosto de peixinho frito, pena é seres de aquário. Mas posso mandar aí o Tsuí (o meu gato)...

Mas, atirando o dicionário ao ar, digo-te que para sermos a mesma pessoa teriamos de ser os gémeos irmãos de Karna e Arjuna. Só mesmo por essa graça natal... he, he...

:-)

PS: Jonas, um peixinho - porque é peixinho - leva uma, duas ou mil damas a único sítio: perfumaria!

Jonas disse...

Mais uma ida ao google para variar olha o que é que eu te posso dizer? Mos,pá bo manera di falá bo ka teni kabésa dreta!!!! rsrsrsr
Caraças. Pá como é que se diz caraças em kriolu, meu? É o que dá ser um peixe preto de terceira geração um gajo fica tuga mesmo

Virgílio Brandão disse...

Oh Jonas! Não sabia que eras crioulo diasporizado… Isso é cool man! Temos de conversar sobre isso.

Podemos, um desses dias, ir beber umas cervejas na Associação Cabo-Verdiana de Lisboa, jogar uma bisca e conversar sobre isso.

Aviso: não há lá miúdas – só homens, cerveja, conversa e cartas. Eh, eh…

Olha: «caraças» escreve-se com «c», mas também pode ser com «k». e nhe cabeça li mocim, li i dritim d´mund.
Mas, dizme, ó Jonas: o Google voltou de férias? Ah, ah… e góze brother, brincadera. :-)

Virgílio Brandão disse...

Anita,
haja quem goste! :-)

Jessica disse...

Jonas, atirando ou não o dicionário ao ar (o que não acredito) eu quero ler muitos mais poemas do VB.
Sei, aliás já havias confessado, que o teu problema é crónico: és ciumento verdinho e assumido. Prontos! Aceito a tua condição e respeito-te.
Bjim
:)

Jonas disse...

Jessica! Fofa! E não é que fui ao google e descobri que há casos em que a inveja é igual ao ciume! NÃO É POSSÍVEL:::::::
:)