terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

  • AS VELHAS SABEM TUDO (i)
Num tribunal de uma pequena cidade corria uma acção que mofara durante anos, pois a causa era complexa e nem os Advogados nem as partes conseguiam chegar a acordo sobre o assunto. A causa teve mesmo que ir a Julgamento. O Advogado do Autor chamou a sua primeira testemunha, uma avozinha de idade já muito avançada. Togado, do alto da sua ciência e razão, começou a sua instância perguntando:

– D. Ermelinda, a senhora conhece-me?

– Claro. Conheço-te desde pequenino e francamente, desiludiste-me. Mentes descaradamente a todo o mundo, enganas a tua mulher com a secretária; ainda fizeste um filho na tua cunhada, e deste-lhe dinheiro para se livrar da barriga, manipulas as pessoas e falas mal delas pelas costas. Julgas que és uma grande personalidade quando não tens sequer inteligência suficiente para ser varredor. É claro que te conheço. Oh, se te conheço!... – respondeu a velhinha.

O Advogado do Autor ficou branco, espantado e sem saber que fazer. Depois de pensar um pouco e notando o olhar trocista do Advogado da Ré, apontou para o outro extremo da sala e perguntou:

– E, D. Ermelinda, conhece o Advogado do Réu?

– Claro que sim. Também o conheço desde a infância. É frouxo… não tem tomates para manter a mulher na linha, ela anda a fornicar com os empregados da casa, o motorista, o jardineiro e até o carteiro dorme com ela, todo o mundo sabe… Tem problemas com a bebida, não consegue ter uma relação normal com ninguém e na qualidade de Advogado, bem... é um dos piores profissionais que conheço. Não me esqueço também de referir que engana a mulher com três mulheres diferentes, uma das quais, curiosamente, é a tua própria mulher. Sim, também o conheço. E muito bem! – volveu a velhinha, num só fôlego.

Os Advogados ficaram em estado de choque, sem voz. Então, o Juiz – que ouvira tudo de boca aberta – pediu a ambos os Advogados que se aproximassem dele e com uma voz muito baixa, disse-lhes:
– Se algum dos dois perguntar à puta da velha se me conhece, juro-vos por Deus e tudo que vão todos presos!

E, os Advogados, ali mesmo, chegaram a um acordo e dispensaram a velha que queria dizer mais.

(i) Adaptado de um e-mail enviado por um amigo.

Sem comentários: