terça-feira, 27 de janeiro de 2009

PRODUTO ESTRUTURAL DE VAGAR REPENTINO
.
Fiz uma pausa na produção de um documento que se revela interminável. A melhor coisa a fazer – disse a mim mesmo – é pensar em algo que não tenha nada ver com o objecto. A melhor forma de abater um momento de reflexão é lembrarmo-nos do passado. E lembro-me, agora, do passado. Tiro uns minutos para relembrar uma quase tradição dos meus tempos de trabalhador-estudante, altura em que escrevia versos para os meus amigos oferecerem às namoradas.

Num impulso resolvo: vou passar a fazer pequenos postais para os meus amigos (talvez assim deixem de me pedir modelos de mensagens sms) e visitantes de Terra-Longe oferecerem às pessoas amadas. Leva mais ou menos o mesmo tempo que escrever um sms à medida da necessidade de um amigo. Fiz, agora, meia dúzia – produto deste pequeno vagar.

22 comentários:

Joshua disse...

Bom! Não deves ter mãos a medir com a aproximação do dia de São Valentim...
O que é que eu posso dizer sobre tão inusitada linha de produção que revelaste agora? Amigos sem imaginão os teus!

Virgílio Brandão disse...

Joshua, tenho amigos de todo o tipo: uns com imaginação a mais (nem sempre usada como deve(ria) ser) e outros a menos.

Não é tão inusitada como isso, podes crer. E, ademais, além de poder ter a virtude de me livrar de pedidos especiais de S. Valentim, deixo de ver os meus ditos andarem por aí... anonimamente, órfãos de mim.

E acho divertido! he, he...

Virgílio Brandão disse...

Joshua, tenho amigos de todo o tipo: uns com imaginação a mais (nem sempre usada como deve(ria) ser) e outros a menos.

Não é tão inusitada como isso, podes crer. E, ademais, além de poder ter a virtude de me livrar de pedidos especiais de S. Valentim, deixo de ver os meus ditos andarem por aí... anonimamente, órfãos de mim.

E acho divertido! he, he...

Joshua disse...

É. É capaz de ser divertido. Eu como tenho muita imaginação não me vejo a precisar dos teus serviços no entanto nunca se sabe :)

Virgílio Brandão disse...

Se bo precisâ dzême...

:-)

Nita disse...

Virgílio,
Adorei.
Estavas mesmo inspirado, não?!

Joshua disse...

Aqui está uma novidade: o VB a escrever em criôlo...Pois dos teus versos rápidos não fico cliente.Preciso, o entanto de aprender criôlo...

Virgílio Brandão disse...

Bem, Josuha, posso ensinar...

:-)

Joshua disse...

E como é que resolvemos o problema de sincronização de agendas? Por despacho?

Jessica disse...

Como gostaria de conhecer esse céu e para aí ser transportada.
Precisaria de uma alma, não VB?

Virgílio Brandão disse...

Joshua,
se necessário arranja-se um judicial ou ministerial. He, he...
:-)

Jessica,
isso todos temos; o que nos falta, muitas vezes, é libertar as suas asas. Agora, a alma do beijo, esse... esse precisa de mais. Precisa, essencialmente de 3 ingredientes (que se juntam como quem faz um bolo): do Agapé, do phileos e do eros.

:-)

Jessica disse...

Hum! Tenho de arranjar mais um pouco de Agapé e q.b. de Eros. O outro ingrediente tenho.

Depois, bom,... depois, tentarei libertar as asas da alma.

E quando chegar ao céu/terra, avisá-lo-ei. Combinado? :~)

Jessica disse...

Hum! Tenho de arranjar mais um pouco de Agapé e q.b. de Eros. O outro ingrediente tenho.

Depois, bom,... depois, tentarei libertar as asas da alma.

E quando chegar ao céu/terra, avisá-lo-ei. Combinado? :~)

Virgílio Brandão disse...

Combinado, Jessica! Mas não creio que, por essa altura e momento, se lembre da notificação. Afinal, lembrou-se Shidartha da mulher e do filho quando alcançou a iluminação? – pergunto-me muitas vezes.

Ah!, atenção com as asas da alma: são frágeis.

:-)

Jessica disse...

Hum! Pode acreditar em mim que o notificarei com AR, via DHL ;)

Baste que lá chegue e que as asas não se partam na longa e por vezes amarga caminhada!

Obrigada pelo aviso sobre a fraglidade. As minhas já se partiram várias vezes, mas há sempre um ponto de novas lagardas.

Fiquei curiosa de conhecer melhor Siddhartha, e mais ainda o que sentiu ao alcançar a iluminação. Por onde posso cruzar-me com ele VB?

Vou começar pelo básico via net. Inté.

P.S. É bom lê-lo e bloguear consigo, ao som de Sérgio Godinho intercalado com as músicas do meu tempo que passa na rádio terra-longe. Interessante!
:~)

Jonas disse...

Descobri agora mesmo uma coisa do caraças. Não preciso de passar a ser mormon ou muçulmano para ter várias mulheres basta escrever uns versos sem muito sentido num blogue cheio de imagens de gajas nuas para elas começarem a aparecer sabe-se lá donde! É uma técnica do caraças meu do caraças rsrsrsr tens o meu apoio lol

Virgílio Brandão disse...

Jessica, fico à espera.
Ah, mas é ou não é a mesma pessoa que fala de vitórias saborosas por serem dificeis?

Siddhartha Gautama, também conhecido como Buda.

Como introdução à temática nada como ler um livro interessante sobre ele: «Siddhartha», do Herman Hesse, livro que já aconselhei aqui ao Jonas. :-)

E, Jonas... és terrivel man! Isso é da vitória sofrida de hoje? Ainda não vi o book do Quique Flores, mas promessa é promessa. :-)

Jessica disse...

Sim, sou a mesma das vitórias díficeis. Talvez por ter sido o meu percurso.

Vou ler o livro. Obrigada pela dica, valeu ;)

Jessica disse...

VB parece que o nosso amigo Jonas está com sintomas de ciúmes, ou é impressão minha? ;)

Mas ele que não se preocupe, pois que a amizade maior e sem fronteiras é o da internet. Aqui todos nós podemos ser "muçulmanos", e não há lugar para esse sentimento de posse tão primário que detesto! :(

Inté.

Jonas disse...

Jessica Jessica Jessica Serás por acaso Jessica Rabbit? hehehe
Estás enganada fofa este peixe primário não está com ciumes. É inveja mesmo.rsrsrsrs Inveja daquela mesmo verde, uma inveja do caraças!!!!!

Virgílio Brandão disse...

Ah!, Jonas... és terrível.

Mas, diz-me: O teu diário não é de uma coelha ?... Ciúmes de seres um peixe e não um coelhinho, é? He, he...

Mas sei o que queres, meu profeta -vou fazer um post dedicado a ti. Mas, olha lá ó meu: como não tenho patente registada da «técnica» que descobriste (e fiquei a saber que tinha uma «técnica»), tens de pagar direitos justos e acertados. Assim, tens de ler o Siddhartha. :-)

Oh, Jessica! O Jonas é um bricalhão vermelho que agora deu em ficar verde. Nao conhece a técnica do riso do Jonas? Aprendeu com a Jessica Rabbit... He, he :-)

Jessica disse...

Oh Jonas quem sabe? Adoro rir e sorrir. Se calhar posso entrar para o seu diário.. ;)
Se deixares, claro!
Viva a vida!
Inté

P.S. Agora não percebi se a inveja é de mim ou do VB?