quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

  • MAS QUE QUERIDOS!

Não tenho visão de raios x, não.
.
Será que o MPD não vê que o Conselheiro Raúl Querido Varela não é legalmente elegível para o cargo no Supremo Tribunal de Justiça? Será que o Egrégio Magistrado, já de provecta idade (83 anos – segundo biografia do mesmo no STJ), também, não vê esse facto e a lei que entram para os olhos de todos? Se o MPD não tem mais nenhum nome a apresentar, que tenha uma decisão politicamente correcta: o candidato a concurso, junto do Conselho Superior de Magistratura Judicial, imediatamente a seguir na lista dos vencedores do concurso a decorrer que seja a pessoa indicada. Agora, independentemente das qualidades do Conselheiro Raúl Querido Varela, ignorar a lei – não.

E se era para manter o Conselheiro Raúl Querido Varela no lugar, para quê é que o Engº. Jorge Santos não chegou a acordo com o Dr. José Maria Neves? Esta decisão é do pior que se viu em Jorge Santos – e bem que pode, se é que não deverá custar-lhe a liderança do MPD pois aos olhos do povo é, nesta matéria, pesado na balança e achado em falta. Imagino, daqui das bordas do meu pensamento, o Primeiro Ministro José Maria Neves a esfregar as mãos de contente. É que, a confirmar-se a notícia veiculada pelos media em Cabo Verde, o PAICV não pode perder nesta questão – é uma guerra já ganha, no plano político e social. Aselhice, Engº. Jorge Santos! Aselhice política pura – é o que se pode dizer, no mínimo.

– Ah, que queridos! – exclamará o Primeiro Ministro.

Talvez, com essa querideza toda, o PAICV resolva não encostar Jorge Santos e a bancada do MPD à parede na altura da votação. Talvez… mas que o líder do MPD é merecedor disso, lá isso é. Os cidadãos cabo-verdianos é que não merecem algumas coisas. «Ninguém merêci, não…» – ouvia ainda, alguns meses atrás, nas ruas de uma bela e aconchegante cidade brasileira. A voz, como sempre, era uma pobre mulher injustiçada.
..
  • Imagem: Esperança, George Frederick Watts

10 comentários:

Sanpadjud disse...

Gostei dessa análise

Jessica disse...

Concordo com a primeira parte da sua posição. Julgo que os desaires do MpD não são vitórias para o PAICV. O que o PAICV quer e o país é ter uma oposição democrática séria e construtiva.
Ganhar de fracos é como bater em velhinhos, não concorda Virgilio?

Virgílio Brandão disse...

Gracias, Sampadjud.

Jessica,
não sei se é uma questão de fraqueza... será mais de falta de estratégia. Mas ganhar é ganhar! Se bem que vitória ganha a pulso é mais deliciosa.

Não sei se o PAICV quer o que diz (mas acredito que sim); o que sei é que o país precisa tanto de uma opsição forte e capaz como de um Governo a esse mesmo nível.

Para os cidadãos é irrelevante quem governa, o que importa, sempre, é se qum governa governa bem ou não. Eu sou um desses cidadãos.

Virgílio Brandão disse...

Gracias, Sampadjud.

Jessica,
não sei se é uma questão de fraqueza... será mais de falta de estratégia. Mas ganhar é ganhar! Se bem que vitória ganha a pulso é mais deliciosa.

Não sei se o PAICV quer o que diz (mas acredito que sim); o que sei é que o país precisa tanto de uma opsição forte e capaz como de um Governo a esse mesmo nível.

Para os cidadãos é irrelevante quem governa, o que importa, sempre, é se qum governa governa bem ou não. Eu sou um desses cidadãos.

Jessica disse...

Como cidadã é-me relevante saber quem governa, tanto mais que voto consciente e sufrago nas urnas o programa de governação que melhor serve ao meu país, em termos de desenvolvimento e bem estar para a maioria dos crioulos.
Também importa-me saber o que a oposição faz e diz em termos de fiscalização e controlo da acção governativa. Agora o que o MpD anda a fazer desde que perdeu as eleições em 2001, entristece-me, como agora ocaso Raul Varela.
Boa noite.

Virgílio Brandão disse...

Jessica,
parece que convergemos na forma como vemos a praxis do exercicio do poder....

Eu, nas últimas eleiões, deixei claro qual seria o sentido o meu sentido de voto: nas Presidenciais a minha escolha foi Carlos Veiga; nas legislativas foi José Maria Neves. Deixei isso claro na altura. O voto é meu: faºo dele o que quero e mantenho-o secreto se quiser. Como não sou hipocrita, manifesto a minha posição. E nãome i,porto nada se fulano ou beltrano não gosta,

Nas eleições autarquicas, foi a mesma coisas. Disse que se votasse, votaria em Gualberto do Rosário. E só me pronunciei sobre S. Vicente pois é onde votaria se aí estivesse presente; dos outros Municípios não disse nada pois, ao nivel em causa, pensei carecer de legitimidade para me pronunciar sobre o sentido de voto.

Agora, sobre «o que o MpD anda a fazer desde que perdeu as eleições em 2001» vou manter reserva, de momento. Sobre o caso Raúl Varela... sim, é triste. Mas, se as intituições do Estado assumirem as suas responsabilidades, a procsaaõ ainda vai no Adro, aí se vai...

A oposição, Jessica, é, por natureza, o Governo à espera... Pena é que muitas oposiçõe spor este Mundo fora não perceba isso. Há cerca de 2 anos ou mais defendi (em artigo publicado no Liberal on line) que o MPD deveria criar um Governo Sombra. Ninguém ligou...

Agora, aparece a ideia - como se fosse a descoberta da polvora. Mas, se calhar, pode ser tarde demais para o MPD. A oposição, Jessica, deve ser tão ou mias competente que o Governo que fiscaliza. Mas... o deserto é dificil de atravessar! Mas não deveria ser, pois a nossa Séfora é mais bela de todas.

:-)

Jessica disse...

Concordo que a nossa Séfora seja a mais bela de todas. Mas quem a consegue "enxergar", se se deixa apagar pela cegueira do umbigo?

Afinal sempre concorda comigo, VB, ao afirmar que "a oposição deve ser tão ou mais competente que o Gov que fiscaliza", e o que tem aocntecido em CV, lá na Terra Longe, não é isso nestes últimos anos, o que é "domage".

P.S. O VB não dorme, ou melhor dorme pouco? :~)

Virgílio Brandão disse...

Sim, Jessica,concordo. Excepto que o PAICV assim queira, pois tal é fazer um juízo sobre o que pensa ou nao o partido - o país sim, quer, por natureza. Agora é da natureza dos partidos (procurar e exercer o poder) é desejar que a oposiçao seja fraca - pois ganha-se com mais facilidade dos fracos qe dos fortes, nao é?

Sim, aqui o VB dorme pouco; o necessário. :-)

Jessica disse...

Mas a vitória não tem o mesmo sabor, não é?
Nada como vencer mas uma luta aguerrida, competitiva, e de preferência que nos exiga a suplantar!

O dormir pouco pode ser até saudável, se for o necessário. ;)

Virgílio Brandão disse...

Para mim o sabor da vitória é... ganhar.

Agora, o que me agrada imenso é ganhar quando parto da ponto de partida com 0 ou próximo disso de hipóteses e logar a vitória. Isso sim, é razão para me sentir vitorioso e com a alma prazeirosa; tudo o que não chega a esse nível é puro cumprimento do dever de ganhar.

Sim, o dever obriga a isso, muitas vezes; outras é mesmo prazer de fazer outras coisas além da obrigação. Quando assim não acontece. gosto de uma boa soneca, em particular uma sestinha depois do almoço, ao fim de semana ou no tempo de férias. Tudo tem o seu tempo, mesmo as necessidades, como dormir. :-)