quinta-feira, 19 de março de 2009

  • A FECUNDAÇÃO DO MUNDO
Residimos no patchouli, tu e eu.
Antes da fundação dos mundos assim era.
Escutava os teus gemidos, calavas os meus
e fecundávamos os dias de sonhos
– os que estão prestes a nascer: as manhãs.
E serei postumamente adoptado por ti,
serás eu – todas as coisas num só dia ressurecto.


Imagem: Daniel na Cova dos Leões, Catacumbas de S. Calixto – Roma

5 comentários:

Jonas disse...

Jéeeeeessica!!!!Então como é que é? O moço faz uma poesia e não há ninguém em extâse? Ninguém se sente arrebatada e com falta de ar?

Nita miúda, aqui estão uns versos da caraças para analisares. Ou és alérgica ao cheiro do patchouli?

Até aquela dama nova a Gabi desapareceu...Não há fartura que não dê em fome

Virgilio meu só nos resta mesmo a Juliana hehehehe

Virgílio Brandão disse...

Oh, Jonas!
Mas, então, o patchouli não te arrebata? Deveria, deveria...

Vejo, meu caro, que estás com a saudosa alma. Mas não posso fazer nada por ti - a não ser falar com o Senhor do Patchouli e pedir-lhe que te escute.

Nita disse...

JONINHAS, Salvé!
Peixinho amigo, adoro o patchouli e também poesias.
As do Virgílio Brandão, me ENCANTAM simplesmente. E, era por esta me ter tirado o fôlego que, não a pude analisar. Me entendes?
Mas, Joninhas, tu por cá hoje?

Tem cuidado, amigo peixinho. Hoje é o DIA MUNDIAL de sensibilização à dieta vegetariana.
Mas ... se EU te apanhasse !!! Ui..ui..ui... adoro peixe frito.
Fica bem escondidinho mas, só hoje, tá? Pois, gostamos de ter novas tuas assim como tu também dás conta da nossa ausência.
A amizade é bela quando recíproca.

Dia bom e não 'ENGULAS" muita água porque pode te trazer danos " ÀS GUELRAS". ha ha ha ah ah ahhhahah

Jessica disse...

Joninhas, dia bom.

Não fiquei em extâse porque o cheiro de patchouli faz-me dores de cabeça. Só gosto mesmo da música. rsrrsrsrsr

Saudades tuas, Jonas. Por onde nadavas? Por outros mares ou rios?

Hoje o dia amanheceu fecundado em nevoeiro. Fez-me lembrar Londres. Será que haverá algum crime?

Inté.

;)

Virgílio Brandão disse...

Nita,
como não gostar do patchouli? Pode-se até nem gostar do aroma - mas, há quem creia que Deus reside na sua essência...

Só por gostares da minha poesia vale a pena escrevê-la! :-)

Jessica, esforça-te: vê o patchouli não como aroma mas como mais, como muito mais do que isso...

Ah! quem sabe Jack the Ripper não aperece por aí com o D. Sebastião... já nada me surpreende. Até pode se dedicar a peixinho frito ou a sushi!