sexta-feira, 6 de Março de 2009

  • MEMÓRIAS DA HISTÓRIA E DE DIAS PASSADOS

No outro dia encontrei-me com um amigo, conversamos um pouco e mexemos em alguns livros (ofertou-me uma obra sua) e, perscrutando um deles, rapidamente os meus olhos caíram nos Plínios – o novo e o velho. Lembrei-me da morte do Velho nas proximidades de Pompeia, quando o Vesúvio, em 79 AD, arrasou a cidade e tornou-a em obra de arte viva. Pouco depois, falava ao telefone – imagine-se só… – para a Loja do Cidadão na sua forma mais bela de…os manuscritos do Mar morto e dos essênios, da origem do baptismo e da prática baptismal dos primeiros gnósticos.

Ficou-me na memória uma multidão de pensamentos, coisas belas de um passado belo e de outras escritas e leituras. Compartilho, hoje, assim, esta passagem da História Natural de Plínio – O Velho. Obra que foi dedicada ao Imperador Tito. Para se compreender melhor o texto, fiz pequenas anotações.

«To the west (i) the Essenes have put the necessary distance between themselves and the insalubrious shore. They are a people unique of its kind and admirable beyond all others in the whole world, without women and renouncing love entirely, without money, and having for company only the palm trees.

Owing to the throng of newcomers, this people is daily re-born in equal number; indeed, those whom, wearied by the fluctuations of fortune, life leads to adopt their customs, stream in great numbers. Thus, unbelievable though this may seem, for thousands of centuries a race has existed which is eternal yet into which no one is born: so fruitful for them is the repentance which others feel for their past lives! Below them (ii) was the town of Engedi, which yielded only to Jerusalem (iii) in fertility and palm-groves but is today become another ash-heap. From there, one comes to the fortress of Masada (iv), situated on a rock, and itself near the lake of Asphalt (vi). And thus far is Judaea.» Plínio, o Velho, Historia Naturalis, V.17.4

Notas:

(i) Do Mar morto.
(ii) Os essênios.
(iii) Plínio quis dizer, naturalmente, Jericó que era, sim, conhecida por estas características.
(iv) Flávio Josefo (historiador judaico de cidadania romana), na Histórias das Guerras Judaicas, dá-nos um relato fiel da tragédia que ocorreu nessa Montanha em 64 AD, pois participou nela como militar das legiões na Judeia primeiro sob as ordens de Vespasiano e Tito no cerco de Jerusalém e, mais tarde e depois da morte de Vespasiano (que se tornou Imperador durante o seu cerco a Jerusalém, em 69 AD, tendo deixado o cerco a cargo do filho Tito, que o sucederia no Imperium).
Tito, que cometeu um duplo genocídio – humano e cultural, com a destruição de Jerusalém e do do Templo de Salomão – arrependeu-se e, a crer em Flávio Josefo (Flávio Josefo, História das Guerras Judaicas), chorou. Não sei, sinceramente, se tal terá sido assim ou se não tal não é nada mais do que uma imitatio do que aconteceu com Cipião Africano quando arrasou Cartago e colocou a cidade a arder durante setenta dias e setenta noites, tendo o Senado ordenado que fosse deitado sal sobre a cidade para nunca mais nada crescer ali. Cipião chorou, diz-nos Políbio (Políbio, Histórias), mentor de Cipião - o Africano. E sabe o que diz, pois estava no campo do grande estratega e vingador de Roma e da desgraça de Canas – o cumpridor do sonho de Catão – o Velho.
(v) O Mar morto.

  • Imagem: A Beautifull Reflection, Léon Jean Basile Perrault

Sem comentários: