sexta-feira, 24 de abril de 2009

  • O LUGAR NATURAL DO AMOR

O meu poeta – que diz ter encontrado Melquisedeque, Yudhisthira e Enoch a passearem no Monte Cara – confiou-me uma previsão lida da mão do Mundo pelos sábios-pios.

Os amantes de Deus Sobre a Terra, fecundam a terra – é consabido.

«Que os teus passos te tragam, um dia, ao meu caminho para alimentar os meus dias de bem, e iluminar as raias do meu ser» – é um desejo de todos os que amam, ó berço de gozo. Mas porque não chegamos ao caminho do outro que esperámos para nos tornarmos na tua seara fecunda, no teu cesto e regaço transbordante? Temos medo do não, é verdade…

Que o mundo seja o nosso lugar natural! Se a terra tende para a terra, a água para os rios, os ribeiros e os oceanos, os pássaros para o céu atmosférico, as super novas para o firmamento, a anima para Shamayim e a fantasia, teus filhos, para terra-longe – porque o teu amor não pende para mim? É coisa que todos, nós que temos o belo, pensam…sempre que enfrentamos o amor rubicundo, tectónico – esse sonho de mar ausente. Mas o lugar natural do amor, já sabiam os antigos – quando nos nomearam prosopon – é o altar da iris, a janela da alma, não a pessoa. O lugar natural desta é a acção continua da hora, o desempenho iniciado pelas batidas de Moliere que começa com afogamento, espanto e grito de te deixar aos bocados de prazer.

Assim, musa da hora nocturna, bahia de ebánicas Dianas, entendo porque o lugar natural do teu amor não é pessoa – mas a iris da hora. O que não está certo… é contrário à natureza das
coisas. Assim – diz-me o meu poeta – escutei o Amante de Deus Sobre a Terra, e decidiu: «corrigirei a natureza». Então retirou a iris a todos as pessoas sobre a menos terra da terra, e passaram a ver e a fazer tudo com o coração e não com os olhos e as mãos. Assim, de acordo com a lei natural corrigida, o lugar natural do seu amor tenderia para a sua pessoa – pensava. Mas o seu amor, olhando para o seu coração, sorriu, deu-lhe uma flor da sua terra escura – um amor-de-um dia – e seguiu de mãos dadas com a simplicidade: trocou os lençóis de algodão puro e de cetim pelo testemunho do braço de Mar adoptado pelo amanhã. O Amante de Deus Sobre a Terra, sangrando na hora, devolveu os olhos aos homens e tornou-se um ribeiro secreto no Monte Cara a manar para o oceano.

Yudhisthira, Melquisedeque e Enoch, diz-me o meu poeta, foram visitá-lo; mas já não estava lá – foi secado pelo deserto crescente, pela fome de verde e de vapor d´Sul, pela solidão… por não ter lugar natural. Nunca fora rio, somente o Amante de Deus Sobre a Terra; e não tinha para onde ir, era ponto e Porto Grande de chegada e este não recebeu o seu lugar natural.

O meu poeta, o meu poeta… por vezes é cego, como Yudhisthira, Melquisedeque e Enoch no Monte Cara. Porque não levantaram os olhos para os céus, para onde manou em essência o Amante de Deus Sobre a Terra? Lá, onde o sonho é plano e é asas de lágrimas, vê-lo-iam a alimentar o amor da sua amante, a que seguiu um outro destino. Deverá estar, em Top d´coroa ou na Serra Malagueta ou no Pico de Antónia.

Imagem: Prohibited Book, Luiz Royo

10 comentários:

Adivinha quem é? disse...

Quem me dera ser a amante do amante de Deus sobre a Terra e poder amá-lo lá onde o sonho é plano...

Aguardar-te-ei no Pico de Antónia, lá onde o sonho é possível, real e carnal...

Domingo bom e espero que aos 45 decidas por mim.

Eu, húmida de paixão te aguardarei para te saciar com o meu peito o beijo doce da cotovia...

;)

Virgílio Brandão disse...

Adivinha quem é?:
O Jonas é que sabe! (a) que eu não sou bom de adivinhas; e (b) que também deve ser a «multifecetada».

E eu, a navegar a minha alma noutras águas... com o meu coração comprometido.

Ah! 45 foi quando acabou a guerra, ou é um número particular? É que, como disse, não sou bom em adivinhas.

:-)

Jonas disse...

VB, deixa-te disso meu e vai já para o pico da tal antónia que se faz tarde e depois moss, dá para adivinhar que esta dama não é no teu coração que está interessada... e como tal não vejo nenhum conflito de interesses rsrsrsr

Jessica disse...

É isso aí, Jonas. O VB anda muito distraído, pelo que vou mudar de táctica. rsrsrsrsr

Olha, Jonas o Gormiti que tenho para ti é o Carrapax, o senhor do mar, serve-te?

Pelo que dizem a potência do boneco é 12.

Dia bom a todos.

;)

Jonas disse...

Jessica, tu não me digas que a Adivinha quem é és tu!!!!

São facadas no meu coração subaquático.

O que é que ele tem que eu não tenho?

Esquece lá isso do Gormiti porque hoje estou a sentir-me o Senhor do Vulcão - Horror Profundo!
O que te vale é que sei perdoar...

VB, está nas tuas mãos ou poderá estar eheheheheeh
É do caraças!!!!

Virgílio Brandão disse...

Jonas...
Vês como os conselhos são lixados?
Eh, eh

Mas não te preocupes, brother! Sabias que já fui conselheiro matrimonial? Pois bem: ainda acabo fazendo de S. António (não farei sermão).

:-)

Virgílio Brandão disse...

Jonas,
a Jessica já chegou ao teu aquário?

Nade, nade. Mas, como se diz na minha terra não te afogues em pouca água».

:-)

Jonas disse...

A Jessica quer peixe mais grado, como tu saberás.
E eu sou só um peixinho com a mania que é tubarão.
:(

Virgílio Brandão disse...

Oh Jonas! e eu, eu sou como diz o meu amigo General D, «não sei nadar»... A especialidade é tua, aquariano.

Quem sabe se o peixinho não venha a tornar-se um tubarão? Mas isso, isso é uma questão de género, não é peixinho? He, eh

But keep going, don´t give up! Por vezes somos o que pensamos, outras somos o que não pensamos (como o patinho feio)... e, outras ainda, conseguimos o que sonhamos e queremos.

Mas há que ter rédeas nos sonhos, e no que desejamos, pois podemos conseguir o que queremos e sonhamos. É, peixinho profeta, faz juz ao teu nome e sê teimoso, persistente nas tuas ideias e intentos. E, como o Roger (aí terás de ser coelho por momentos), faz a Jessica rir...

:-)

Jonas disse...

Oh companheiro essa tua cabeça não anda nada bem deve ser da buba do dia de anos com que então eu e a Jessy é uma questão de género? É uma questão de ESPÉCIE oh crómio!