quarta-feira, 15 de abril de 2009

[…]

«Era um segredo de alma, santo por natureza. Sabia, por razão de ciência, que o seu outro Deus não se importava com essa fraqueza natural entre os homens conscientes da sua condição e da sua natureza. «Deus, de certeza, não se afronta com este amor; afinal, não é Ele mesmo o Amor? Se plantou este sentimento nas raias do meu coração, é porque o apraz fazê-lo... sim, é o que predestinou para mim, é o meu destino amar sem rumo e ser tentado» – pensava quando lhe ocorria poder estar a prevaricar contra alguns arcanos mandamentos, prescrições divinas, dizia, que conhecia de cor. E, entre ouvir Shakeaspeare e despenhar-se de uma montanha azul, resolveu encontrar uma outra solução; o talvez da esperança impossível enquanto amarrava as mãos do Mundo e torturava o futuro com ligas de seda e chocolate. Afinal, aprendera desde menino que o orvalho é dos pardais, a chuva e as lágrimas dos homens.»
----- in Virgílio Brandão, O Morto Que Não Queria Morrer, p.20

Imagem: Toulouse-Lautrec – Donna dai Capelli Rossi Accosciata

10 comentários:

Joshua disse...

Parto do princípio que existem também as páginas 19 e 21, certo? Ou estarás a fazer bluff?

Virgílio Brandão disse...

Bem, Joshua… já deverias saber que eu não sou bluffent (assim se diz lá pelo Mindelo). Existem, na verdade, 286 páginas.

Ah! Já viste como o dia está belo?

:-)

Joshua disse...

Eu sei que existem...Tu podes não te lembrar mas no ano passado até disseste que as ias enviar para eu ler.
Estás recordado agora?

Abracinhos.

Nita disse...

Oi Virgílio,
Um morto desse acho que não deve morrer,nem deveria morrer.
Muito menos deve lamentar ou lastimar por algo que fez.
DEUS É AMOR! Ele só se afronta com a Maldade Humana.
E, infelizmente é o que há de sobra neste Mundo.
beijo,
Anita

Jessica disse...

Pelo que deduzo, julgo que o morto não devia morrer, pois se morto está não tem querer de não morrer, e morrendo termina a personalidade e capacidade jurídicas, não é VB?

Mas, também, entendo que o morto não devia morrer pela notícia que recebeu, naquele dia, infelizmente fatídico, na História.

Bom aguardo para ler, também, e ansiosa, VB!

Hoje o dia está bom para estar em família e amigos a bebiricar um chã, numa boa conversa sobre a Vida, o Amor, o Momento, a Oportunidade, o Decidir, o Orgulho vs Muros construídos, Paris, Praia, Barcelona, Mindelo, and so on, não concordas VB?

E se não houver luz aqui nestas bandas, sempre há os Lusíadas aqui em casa para reler, mesmo que seja à luz do pogodó!

lol

Besos

;)

Virgílio Brandão disse...

Joshua: :-)

Nita, todos morrem – até os mortos e os deuses.

Oh, Jessica!
Se em algumas paragens os mortos herdam (e, ao que se diz, votam…
como no Brasil), porque não haverá um morto de não querer morrer? Eh, eh

Sim, o dia esteve para estar em casa… fiz uma sesta, e estava tão cansado que só acordei umas horas depois.

Vejo que, Jessica, anda a pensar nos Lusíadas. Se faltar luz por aí, conta-me depois… como foi ler ou reler os Lusíadas.

:- )

Jessica disse...

VB, infelizmente a luz nestas bandas não tem faltado, pois que se assim acontecesse, de imediato acenderia uma vela, que a colocaria na mesinha da sala, e telefonar-te-ia para me trazeres os Lusíadas, mas na condição de os leres para mim, pelo menos o primeiro canto, até a luz voltar. Que tal? Aceitarias?

O que queres para o dia 25, dia da tua 45ª liberdade?

Beijos

;)

marisa disse...

«Afinal, aprendera desde menino que o orvalho é dos pardais, a chuva e as lágrimas dos homens.»
:)anciosa para o ler
dia bom

Virgílio Brandão disse...

Jessica,
45 liberdades, eu!? Deus! Pudera ter (1) uma liberdade, e não uma livre necessidade, como bem dizia Espinosa...

Para não esperares a noite escura, isto é: «Prenda de Electra», publiquei partes do Canto I dos Lusíadas - para ler em voz alta, Jessica. Dizem que faz bem ao coração. Como vês, ó Jessica, neste momento em que lês este escrito, há luz. Eh, eh

Marisa,
lerás, lerás.
:-)

Jessica disse...

VB, tens é muita sorte! Ou então és um dos accionistas da Electra cá do sítio.

De todo o modo, gracias pela postagem de partes do canto I, que terei de ler sózinha, e com os meus olhos... :(

Bali.

Noite boa, e pensa no canto II dos Lusíadas.

dnb

;)