terça-feira, 18 de novembro de 2008

  • ACORDA A CIDADANIA SILENCIADA

O site africanidade anunciou o que se sabia e era esperado há muito: um cidadão de origem cabo-verdiana será candidato à Câmara Municipal da Amadora. Ao caso, Francisco Pereira.

Em Lisboa, haverá um outro candidato de origem africana. Odivelas, Loures e outros locais improváveis, também… vai-se sabendo, devagar. É uma revolta contra na não inclusão dos afro-descendentes nos quadros e nas listas dos partidos políticos, se ser para colorir.

Aplaudo a candidatura de Francisco Pereira, com a sensação de que não andei, durante anos, a pregar no deserto. E fico à espera das outras candidaturas, necessárias. E não se pense que se está perante qualquer mimetismo, não…

5 comentários:

Joshua disse...

Boa fotografia. Pelo menos foi o que achou a minha colega que passou agora que parou, olhou e disse UAU, quem é esse? Já começou a agradar ao eleitorado feminino...

Virgílio Brandão disse...

È... pode começar, já, a migração eleitoral.

Que a colega seja uma boa amostra estatística; pois se for...

Joshua disse...

É bem subversiva essa ideia da migração eleitoral. Tinha piada se viesse a sortir efeitos. :)

Virgílio Brandão disse...

Ah, Joshua... lá estás tu a tirar iliações de ciência política profunda...
:-)

Ariane Morais-Abreu disse...

Igual ao Obama, o candidato luso-caboverdiano vai ter de capitalizar a sua imagem mestiça porque, seguramente, a aparência e a voz podem ser mais-valias apreciaveis para os votantes. E se a cor ajuda, tant mieux!!!